Better Call Saul não decepciona e retoma sua fantástica narrativa

Comments (0) Séries

Para quem ficou um pouco órfão após o final de The Americans (leia aqui), sem saber muito o que continuar assistindo porque o tempo já não permitia dar atenção a todas as séries, o retorno de Better Call Saul é um alento. E enxergo semelhanças entre os dois programas, principalmente no atual nível da narrativa onde as tramas se movimentam em uma redoma de silêncio, ansiedade e medo.

Assim como a série “pai” (ou “mãe”, como preferir) Breaking Bad, Better Call Saul foi gradativamente atingindo o seu ápice, costurando histórias. Ao invés de nos provocar fazendo esperar aquele momento onde Jimmy McGill se transformaria em Saul Goodman, a série tomou um caminho diferente para construir uma personalidade cuja humanidade repleta de erros e de um passado conturbado o levou a tomar decisões que quase sempre contradiziam o caminho certo que ele alguma vez quis perseguir.

O início da quarta temporada, com o episódio disponível na Netflix como foi nas temporadas anteriores, lida com a morte de Chuck que encerrou o trágico 3º ano da série. Porém, começa a tratar também de outros assuntos como, por exemplo, a presença da empresa Mardigal que em Breaking Bad tem um papel fundamental nos últimos episódios em relação à logística do funcionamento do cartel. Quanto à personalidade de Jimmy/Saul, é justamente esta que o vai trair e fazê-lo perder o que de mais importante ele tem hoje: Kim Wexler.

  • Foto: Divulgação/AMC
  • Foto: Divulgação/AMC
  • Foto: Divulgação/AMC
  • Foto: Divulgação/AMC

E talvez a resposta para o seu envolvimento tão próximo com o tráfico, Mike e Gus Fring passe por essa compreensão. Por isso Better Call Saul conseguiu se vincular a uma narrativa tão fantástica, cheia de nuances e ângulos que nos coloca tentando sempre relacionar os fatos da série com Breaking Bad, ao mesmo tempo que aplaudimos a coragem que Peter Gould e Vince Gilligan (criadores da série) estabeleceram de Better Call Saul ter independência para ter a sua própria história.

Daqui alguns anos, quando Better Call Saul acabar, é muito possível que a série seja lembrada como referência para realizar um spin-off tão bem-sucedido.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *